';
Neuromarketing – à descoberta da mente do consumidor

Neuromarketing – à descoberta da mente do consumidor

Notícias

A forma como pensamos e fazemos o marketing mudou muito ao longo das últimas décadas, conforme já fomos mencionando noutros artigos. Com o desenvolvimento tecnológico verificado desde o início do século, um dos pontos chaves do marketing passou a ser a análise do comportamento de compra do consumidor, de forma a compreender quais são as suas necessidades e como satisfazê-las. Assim, nasceu uma nova área do marketing – o neuromarketing.

No artigo de hoje iremos explicar-lhe o que é o neuromarketing e como é que ele pode ser aplicado aos negócios.

O que é o Neuromarketing?

O Neuromarketing é a aplicação das neurociências e das ciências cognitivas ao Marketing, cujo objetivo é compreender como é que as pessoas se relacionam com uma marca e quais são os seus desejos, motivações e interesses para fazer uma compra. De acordo com um estudo da Universidade de Harvard, 95% das decisões de compra fazem-se de forma irracional.

Revivendo os nossos tempos de escola, nomeadamente as aulas de ciências, sabemos que o cérebro humano é composto por três partes: neocórtex, a nossa componente racional; cérebro límbico, a nossa componente emocional; e o cérebro reptiliano, a nossa componente inata, em que fazemos coisas de forma automática e sem pensar como respirar, sentir fome/sede, sobreviver, etc.

Apesar de as ações de marketing terem impacto em todas as partes do nosso cérebro, é apenas a parte reptiliana que gera uma reação, no caso de publicidade de um produto/serviço, de compra. Qualquer estratégia de Marketing deve ser compreendida pela componente racional, gerar uma emoção e um impulso básico, que não é identificado como tal, mas que será o grande motivador da compra.

 

Tipos de Neuromarketing

Os tipos de Neuromarketing são caracterizados pelo sentido humano que tem impacto sobre uma pessoa. Neste sentido, existem cinco tipos de Neuromarketing mais comuns, nomeadamente:

  • Neuromarketing auditivo: ao utilizar neuromarketing auditivo o objetivo é que audiência foque a sua atenção em algo que está a ouvir, tendo em conta que o cérebro costuma associar sons a experiência positivas ou negativas, podendo ser utilizadas no marketing para atração.
  • Neuromarketing vidual: este é o impacto mais recorrente e o mais forte do marketing e da publicidade, uma vez que depositamos muita confiança naquilo que vemos. Aqui é utilizado tudo o que capta o nosso olhar: cores, imagens, vídeos, formas, etc.
  • Neuromarketing cinestésico: este tipo de neuromarketing utiliza sentidos como o tato, olfato e paladar. Não é qualquer marca que o possa utilizar, mas é uma estratégia que vemos com muito mais frequência.
  • Neuromarketing emocional: é o mais abrangente pois procura gerar uma experiência multi-impacto. Além de atingir a parte dos impulsos, procurar apelar às emoções para justificar um comportamento.
  • Neuromarketing de histórias: é mais direcionado uma vez que tem uma estratégia definida que procura alcançar as pessoas através do storytelling com diferentes formatos e canais, para que seja percecionado por todos os nossos sentidos.

Vantagens do Neuromarketing

O Neuromarketing tem diversas vantagens para a estratégia de marketing, entre as quais:

  • Ter um maior conhecimento sobre a nossa audiência;
  • Analisar os clientes de forma não intrusiva;
  • Melhorar a experiência do cliente;
  • Ter estratégias mais robustas e precisas
  • Fazer uma melhor atração e conversão de leads
  • Melhorar a imagem positiva das marcas

Utilizando o neuromarketing é possível medir e avaliar cada estímulo e qual o seu impacto numa pessoa. Desta forma, todos os seus esforços para comunicar, vender e publicitar será mais fácil, obtendo melhores resultados.

3 estratégias de Neuromarketing para aplicar ao seu negócio

Existem diversas estratégias de neuromarketing, no entanto, hoje iremos destacar apenas 3:

  1. Educar a audiência: antes de pedir, é melhor dar. Esta é a lição dada pelo Inbound marketing, que tem como foco a criação de conteúdo valioso, oferecer soluções, acompanhar o público-alvo e educá-lo para falar sobre as suas necessidades e como resolvê-las e, posteriormente, sobre um produto/serviço. Quando alguém nos trata bem, nos oferece informação de valor, sentimos empatia, afinidade e até o compromisso de fazer algo pela marca que nos está a oferecer o seu tempo, recursos e conhecimento.
  2. Storytelling: O conhecimento, a aprendizagem e a perceção do mundo, sempre foram feitos por meio de histórias. Esta é a essência do storytelling – contar a história de um negócio/marca em todos os seus esforços de comunicação. Isto desperta a imaginação, sendo assimilado em todas as partes do cérebro, impulsionando uma ação.
  3. Construir identidade e pertença: o cérebro humano, desde sempre, evoluiu numa sociedade, fazendo parte do ADN da humanidade. Assim, ter uma identidade e possuir um sentimento de pertença é essencial. Neste sentido, a promoção de uma comunidade em torno da sua marca que se identifique com a mesma e com o que faz, criando um sentimento de pertença, os seus resultados serão significativamente surpreendentes.

Para saber mais sobre o neuromarketing, sugerimos que (re)veja o nosso #gowebtalks com Luís Cordeiro.

FacebookInstagramLinkedINTwitterYouTube

4.9 99 reviews